Quem sou eu

Minha foto
Sou professora e educadora e uso este espaço para me comunicar com meus alunos e discutir temas atuais sobre Educação. E no meu blog "Costurando uma tese" estou expondo minhas discussões e descobertas na construção da minha tese de doutorado pela Universidade de Brasília na área de Educação

Sente conosco,vamos tomar um cafezinho ou chá?

Vamos fazer desse espaço uma gostosa varanda,com espaço e calor humano para juntos trocarmos idéias?
Seja bem vindo(a)!

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Tudo que demora para ser gestado tem sabor de novo. Faz algum tempo que não posto nada neste blog. A vida parou? Não! Andou tanto que criei alguns outros blogs, conclui o Doutorado e agora organizo um livro novo. Uma construção coletiva com mais 18 autores.
E o meu livro autoral? Já sendo formatado.
A vida nos leva por caminhos diversos, aprendemos novas danças e abrimos nossa mente para novas energias. Aí vou eu novamente, cheia de vontade de dizer de mim e do que ando construindo.
Sala de aula? Voltando agora de leve, uma disciplina na pós-graduação e muita história para contar e novos amigos aprendentes a conquistar.

terça-feira, 7 de junho de 2011

Escola de Governo do Distrito Federal

Nos idos de fevereiro de 2011 recebi a tarefa de coordenar a área de Educação a Distância da Escola de Governo do Distrito Federal, desenvolvendo projetos de formação continuada para os servidores públicos da capital da República.
Tarefa para muitos anos de trabalho e dedicação. Quem me conhece profissionalmente,sabe o quanto gosto de ter prazer em tudo que faço.
Daí nasceu o curso-piloto de formação de formadores para incentivar a docência entre os profissionais da escola. Para concretizar este deleite, abrimos um curso semipresencial para este fim.
Como atividade avaliativa do curso foi proposto o desenvolvimento de um memorial eletrônico desenvolvido no ambiente de um BLOG.
Este processo está em andamento e estamos acompanhando a construção dos memoriais dos cursistas. Eis os links para quem quiser degustar:

http://eadegov.blogspot.com
http://hermanaraab.blogspot.com
http://fatimaelice.blogspot.com
http://montew.blogspot.com
http://memorialjoanaeluciana.blogspot.com
http://magelke.blogspot.com
http://magalbuq.blogspot.com
http://gasparottosorice.blogspot.com
http://luciano-ivo.blogspot.com
http://keleejulio.blogspot.com
http://formadoresvpl.blogspot.com/
http://rodrigofenixx.blogspot.com/
http://iedaelaine.blogspot.com/
http://julianazenon.blogspot.com

domingo, 9 de janeiro de 2011

Vale a pena ler e discutir:

Doenças cardiovasculares - prevenção e compreensão: é questão de gênero?

Elsimar M. Coutinho
Presidente

Apesar do sexo envolver todos os sentidos na maioria dos animais, os odores que emanam dos parceiros atuam como sinalizadores químicos que permitem identificar não somente a presença dos indivíduos do sexo oposto nas redondezas como a sua localização. Como os odores característicos das fêmeas das diversas espécies são mais intensos no período da ovulação, a presença de uma fêmea que se encontre nessa fase é percebida a distancias maiores, alcançando e atraindo assim um número maior de machos. Nos mamíferos, os odores que emanam das fêmeas são fundamentais, pondo em dúvida a afirmativa do poeta que pede perdão às feias ao propor a beleza como fundamental. Na realidade a anatomia responsável pela beleza por si só não conduz ao sexo se o odor não for adequado. Nos animais domésticos e nos primatas subumanos que praticam o sexo à vista de todos pode ser constatada essa verdade biológica. O cão se aproxima de uma cadela e com o seu focinho cheira o corpo da fêmea em toda a sua extensão. Depois de cheirar-la, o cão toma uma de duas alternativas de ação. Ou vai embora ou tenta copular. Se o cão vai embora, distanciando-se, indiferente àquela cuja anatomia e leve odor a identificam como fêmea da sua espécie é porque ao cheirar-la nada lhe aconteceu. Se, entretanto, após a cheirada, o seu pênis sofreu vasodilatação e desenvolveu uma ereção, ele tenta esfregá-lo no corpo da cadela, porque o pênis ereto provoca comichão. Ao apoiar as pernas dianteiras nas costas da cadela, ela faz uma corcova e levanta a cauda (fenômeno que só ocorre no pico estrogênico durante a ovulação). Para o cão (ou para o gato) a beleza está longe de ser fundamental. Gata sem cheiro de gata ou cadela com um odor exótico, por mais linda que seja aos olhos dos seus parceiros quando os atraem pela anatomia se revelam propaganda enganosa na hora da prova.

Ainda mais importante para o homem porque mais próximos antropologicamente estão os primatas subumanos cujo comportamento sexual é mais ou menos intermediário entre aquele dos quadrúpedes e os seres humanos. Os machos de espécies como o chimpanzé e o gorila preferem se masturbar a copular com uma fêmea que não esteja no cio e por mais bela que seja aos seus olhos. Através do estímulo manual, o macho consegue uma ereção melhor do que se esfregando numa fêmea sem o mágico cheiro de macaca no cio. Quando uma chimpanzé entra no cio todos os machos a procuram para copular.

Os estímulos quimio-sensoriais que governam as relações entre os indivíduos da mesma espécie começam a atuar sobre os receptores olfativos e gustativos do feto humano entre quatro e seis meses da gravidez quando o liquido amniótico começa a fluir livremente por via nasal. Os estímulos variam de acordo com a alimentação da mãe cujo líquido amniótico é exclusivo e terá odores e gostos específicos para cada indivíduo, permitindo não somente a identificação como a afinidade entre mãe e filho. Durante o nascimento, os milhares de receptores na mucosa nasal e no órgão vomeronasal são expostos de maneira intensa aos componentes das secreções vaginais da mãe que se encontra sob forte influência estrogênica indispensável para iniciar e sustentar a atividade contrátil do útero. A exposição dos receptores nos momentos iniciais da vida imprime de modo indelével as características odoríferas da vagina materna nas narinas do filho de tal forma que para o resto da vida o indivíduo é atraído para os corpos dos quais emanem os referidos odores que caracterizam o “cheiro de mulher”. A intensidade do “cheiro de mulher” aumenta sob a influência dos estrogênios e é por isso que alcançam o seu pico durante o período peri-ovulatório e durante o período expulsivo do trabalho de parto quando cessa o efeito bloqueador da progesterona (progesterone block). Na menopausa, quando os estrogênios ficam muito baixos, a vagina fica desprovida de secreções e conseqüentemente do seu cheiro. Nesse caso a reposição hormonal com estrogênios e testosterona devolve tanto as secreções quanto o odor característico da vagina normal.

A testosterona é transformada no corpo da mulher em estradiol graças à ação da aromatase. Os níveis de testosterona são cerca de dez vezes mais baixos na mulher do que no homem, mas, apesar disso, a testosterona também colabora para o “cheiro de mulher”.

O cheiro de homem, ao contrário do cheiro de mulher, não atrai a mulher para ele, mas aumenta a receptividade da fêmea à aproximação e penetração pelo macho. No homem, os níveis elevados de testosterona, resultantes da percepção da proximidade da fêmea, aumentam a sua agressividade e sua aptidão para a cópula. Ereções mais rápidas e mais firmes se desenvolvem em machos que aumentam seus níveis de testosterona na presença de uma fêmea estrogenizada. As ereções espontâneas que ocorrem nas primeiras horas da manhã também coincidem como o pico diário da testosterona.

As emanações estrogênio dependentes que despertam o desejo do homem podem ser reduzidas e até eliminadas por excesso de higiene íntima, banhos repetidos, desodorantes e perfumes exóticos, razão pela qual devem ter o seu uso eliminado quando a mulher quer despertar o desejo do homem.

Vídeos sobre educação e ensino

Loading...

Como foi escolhido o livro didático que você trabalha?